CADÊ?

abril 28, 2010

Sem surpresa

Foto: Lula Marques / Folha

Pura maldade o cartaz fixado na reunião da executiva nacional do PSB, com o realce para Agora é CIRO, quando todos sabiam do enterro da sua candidatura à Presidência da República.
Há quem aposte que, não demora muito, o eleitor paulista estará, em campanha eleitoral, no palanque da senhora Dilma Rousseff, apesar de, em entrevista, afastar tal hipótese. Não acho sensato a contraposição.
 

abril 27, 2010

Em tantas noites seguidas, um tiro no peito. E agora, atravessando a rua, dirigindo-se à sua casa, a morte com uma carabina estendendo-lhe o braço.

Assumindo*

Charge:Nani

* Extraída do blog Nani Humor, lá veiculada em ontem.

abril 26, 2010

Um mal-entendido como a inflada do curriculum?

A nota de esclarecimento fixada no site oficial de Dilma Rousseff a respeito da presença de imagem do Norma Bengell entre duas da pré-candidata, ladeado pelo texto que se vê, com link para a sua biografia, firmada por Pepper Interativa, empresa que a assessora em incursões na internet, aposta que todos sejamos o Eremildo, criação de Elio Gaspari. Ei-la:
O blog Dilmanaweb lamenta profundamente a interpretação equivocada da foto que traz a atriz Norma Bengell participando de uma passeata contra a ditadura.
Jamais houve a intenção de confundir a sua imagem com a de Dilma, o que seria estapafúrdio, ainda mais se tratando de uma figura pública. O que se busca, ali, é ressaltar um momento da vida do país do qual Dilma participou ativamente. Outras fotos do blog fazem referência a esse momento em que os brasileiros foram às ruas pedir o fim da ditadura.
Dilma participou de todas essas lutas. Elas fazem parte de sua vida e da vida de milhões de brasileiros. Lamentamos eventuais mal-entendidos que possam ter ocorrido e tomaremos providências para evitá-los.
 Ok. Então, buscou-se, com a imagem de Norma Bengell participando de manifestação, durante o regime militar, ressaltar um momento da vida do país do qual Dilma participou ativamente? E as duas outras imagens a que se propõem?

abril 25, 2010

O Mestre

Lula_ciro Foto de autoria não identificada.

Já que a candidatura subiu no telhado…

Ciro Gomes_Lula Foto de autoria não identificada.

Outra vez

cats

Dilma Rousseff, desde a semana passada, tem site oficial. Acima, a página principal, acessada hoje, em que se vê a trinca de fotos: a pré-candidata criança e hoje; entre ambas, tudo indica, quis fazer crer, na época do regime militar.

em destaqueA mulher do centro não é Dilma Rousseff. O primeiro a levantar a questão foi Ricardo Boechat, na Época desta semana, chamando-a de Norma Rousseff. Eis o que anotou o colunista:

A página de abertura do site oficial de Dilma Rousseff (www.dilmanaweb.com.br) destaca três fotos alinhadas ao lado do título Minha Vida. Na da esquerda, ela surge sorridente, ainda menina; na da direita, vê-se sua imagem atual. Já na do meio, claro, os leitores concluirão que é novamente a pré-candidata quem aparece, num protesto estudantil dos anos 60. Mas testemunhas da manifestação garantem de pés juntos: a moça na imagem é a atriz Norma Bengell.

Norma-Bengell-contra-a-censura1 A foto original, publicada, segundo alguns, no extinto Correio da Manhã, em 1968, registra, na primeira fileira, da esquerda para a direita, Tônia Carreiro, Eva Vilma, Odete Lara, Norma Bengell e Ruth Escobar.

Para quem já esteve envolvido em imbróglios, como, por exemplo, a robustez de currículo, com inserções indevidas de pós-graduações, e futura candidata à Presidência da República, não pega bem a estultícia sugerida no episódio.

Estou ansioso para ver a reação petista.

abril 22, 2010

Visite

cats

Kenard Kruel, depois de postagem em fevereiro, 1º, voltou, ontem, a alimentar o seu blog. Clique na imagem e visite-o.

abril 21, 2010

Brasília

229-brasilia1g

É vergonhoso!

Teoria de DaMatta em vídeo

Lembrei de Roberto DaMatta, em seu festejado  Carnavais, Malandros e Heróis, em capítulo intitulado Sabe com quem está falando? Um ensaio sobre a distinção entre indivíduo e pessoa no Brasil. Na essência, extrai-se do texto de DaMatta, a pessoa sente-se titular de direito, enquanto o seu interlocutor é mero indivíduo, sem qualquer expressão. Quando alguém pergunta sabe com quem está falando? ou suas variáveis, como, por exemplo, você sabe quem eu sou?, e é um agente público, há, quase sempre, abuso de autoridade, principalmente quando tenta intervir em fato visando superar a lei. 
Circula na internet desde segunda-feira, 19, o vídeo que se reproduz nesta postagem. O episódio, segundo o Diário Catarinense, deu-se na quinta-feira, 15, quando, em uma blitz, policiais, constatando irregularidade em automóvel dirigido pelo filho da Excelentíssima Desembargora Rejane Andersen, do Tribunal de Justiça de Santa Catarina, decidiram por  apreender o veículo.
video

A respeito, leia também os pronunciamentos da Excelentíssima Desembargora Rejane Andersen e da Associação dos Magistrados Catarinenses, impressos também no Diário Catarinense. Primorosos ao cotejá-los com os diálogos contidos no vídeo. 

abril 09, 2010

Programe-se

unnamed

Underground?

a1_26d3810c16c00d06889dcece42ee3a90 
Foto: Diego Iglesias

Teresina, promete, hoje, para quem gosta de música.  O jornal O Dia, edição de quarta-feira, abril, 7, por exemplo, noticia que as bandas metálicas Psicho Bitch e Retalhador se apresentarão, a partir das 20hs00min. no Teatro Municipal João Paulo II.
O interessante da matéria é quando o jornalista, destacando a banda Retalhador, anuncia que, “Entre as apresentações, destacam-se, shows em Parnaíba, São Luís (MA), além dos maiores festivais undergrounds, como o Teresina é Pop, evento anual que reúne bandas de todos os estilos e é realizado pela Prefeitura Municipal de Teresina, através da Fundação Municipal de Cultura Monsenhor Chaves.”
O autor da matéria não compreende conceitos culturais. Outra conclusão não se pode chegar ao atribuir ao Teresina é Pop, evento patrocinado pelo Município de Teresina, como um festival undergroud. Afinal, Underground, manifestamente, é expressão utilizada para designar ambiente cultural que foge aos padrões, aos modismos e que, principalmente, está fora da mídia.

abril 06, 2010

Programe-se

F*



WikiLeaks, grupo que promove a veiculação de materiais secretos como forma de combater a corrupção nos governos e nas empresas, divulgou ontem o vídeo militar posto acima. Gravado em 2007, mostra um ataque de helicópteros Apache, que resultou na morte de 12 pessoas em Bagdá, inclusive dois funcionários da agência de notícias Reuters - Namir Noor-Eldeen, 22 anos, fotógrafo, e Saeed Chmagh, 40 anos, seu assistente e motorista.

Uma fonte de defesa do governo estadunidense confirmou a autenticidade do vídeo.


Fonte: Reuters.

abril 05, 2010

Um tango argentino…

Capa Encrenca grande, ao que parece, o litígio entre os integrantes do Validuaté e a Bumba Records. Thiago E., por exemplo, no blog da banda, acusa a gravadora de, retendo todos os cds Alegria Girar, continuar vendendo-os sem que o grupo receba qualquer remuneração, embora integralmente custeados pela Lei A. Tito Filho. Excita, na postagem, que ninguém os compre agora, na esperança, concluo, que decisão judicial lhe seja favorável.

O entrevero entre banda e gravadora foi objeto de matéria no Interferência, exibido pela TV Antares. Não a assisti. Mas o jornalista Joelson, um dos apresentadores do Interferência, registra-a em seu blog, e dá sua impressão sobre o tema, com o post intitulado Defendo o Validuaté: (a) ficou pesaroso pela impossibilidade de a banda vender o seu próprio disco; (b) eximindo-se de adentrar no mérito da questão – reservado, em sua avaliação, aos advogados, delegados e juízes –, exprime que o “fato de um artista não ter domínio sobre o seu próprio trabalho soa com enorme violência”, com o que deve concordar, sustenta, até mesmo o diretor-presidente da Bumba Records; (c) talentoso no sopro, em produção fonográfica e em direito autoral, e com marcante confiança, o senhor Márcio Menezes “conseguiu fechar para sua gravadora o que, a meu ver, foi um os melhores contratos que poderia fechar”, dominando, assim, “os direitos de venda de ‘Alegria Girar’ do Validuaté, um dos melhores produtos fonográficos que já ouvi”; (d) estabelecida cizânia entre as partes, “Ao invés de um acordo entre as partes, as dificuldades de entendimento levaram ao que o Validuaté jamais imaginaria: mais de mil discos retidos na gravadora”; (e) o diretor-presidente da Bumba Records pode ter razão, mas “não pode concorda com este atentado não só banda, mas ao cenário artístico local” (sic); (f) mais prudente seria a banda não ter firmado o contrato, como fez; e (g) o diretor-presidente da gravadora “deixou de lado a sua veia produtor-compositor-artista e deixou aflorar uma veia empresário”, mas “assim como Pelé vez por outra dá uns toques no Edson, o lado mais sensível de Márcio poderia dar uma força para o mais brutal.”

Ao que tudo indica, pelo comentário à postagem de Joelson, a Bumba Records, por seu representante, nem pensa em acordo:

“Prezado Joelson Giordani

Vou ser sincero e direto.
Voce não entende nada sobre contratos do mercado fonografico, para sair publicando bobagens em blogs como esse, falando de ‘atentado ao cenario artistico local’.
Quem voce pensa que é, para pre-julgar negocios empresarias que não lhe dizem respeito?
Voce entrou com algum dinheiro, serviço nesse projeto?
Ou é daqueles que acha que na cadeia produtiva da musica , quem deve administrar e investir é o poder publico?
Saia dessa se não quiser ser processado por calunia e difamação?
Somente apos receber uma noticia, de uma jornalista da sua emissora, comentando que a BUMBA RECORDS tinha roubado o trabalho do VALIDUATÉ, foi que resolvi dar uma entrevista no seu programa.
E sinceramente,achei que voce iria usar esse material como conteudo jornalistico e não como um retrogrado cidadão, que luta contra o empreendedorismo cultural local.
Será que é porque voce trabalha em uma TV Estatal ou ficou com medo quando disse que sua reporter poderia ser processada por veicular fatos sensacionalistas?
Pense no valor da sua profissão e respeite seus conterraneos, que lutam por dignidade em suas profissões.”

Claro que o jornalista Joelson, abstendo-se, como confessa, de abordar aspectos jurídicos da questão, teceu comentários apaixonados, em defesa do que acha justo, a ponto, de exageradamente, atribuir ao episódio “atentado ao cenário artístico local”. Mas não vislumbro, no comentário da Bumba Records, comedimento. Parece-me que a gravadora, detentora de conhecimento acerca de contratos do mercado fonográfico, busca intimidar o jornalista, esquecendo, talvez, do direito de opinião reservado pela Constituição Federal. No fundo, acho que a Bumba Records, no comentário reproduzido, ou em seu próprio blog, ao invés de desancar o jornalista, perde excelente oportunidade, em que pese o caráter privado da relação estabelecida com a Validuaté, de esclarecer a situação, mormente porque tem sido apontado como vilã, pela banda, nesta história.

Se pelo menos em parte a informação da Validuaté, de outra parte, for verídica – a de que o custeio da produção do CD Alegria Girar deu-se pela Lei A. Tito Filho (e o CD fora contemplado entre os projetos aprovados em 2007, como noticiado pelo site da Fundação Cultural Monsenhor Chaves) -, dois aspectos certamente chamariam a atenção: teria havido investimento manifestamente público na produção do Alegria Girar (com ressarcimento, pelo Município de Teresina, em ISS e IPTU, das pessoas físicas e jurídicas que contribuíram com o Fundo Municipal de Cultura), e assim seria incompreensível a menção, pela gravadora, sob censura, da utilização da arca pública para custear a produção fonográfica no Piauí; e, por ter recursos públicos, o contrato firmado entre as partes, embora privado, ganharia feição pública, na aplicação de tais recursos, o que ruiriam, mais ainda, o argumento de que o jornalista Joelson não direito de manifestar-se sobre o tema, além de atrair, por exemplo, a intervenção do Ministério Público.

Por fim, como o caso não é de tuberculose irreversível, em  que restaria apenas tocar um tango argentino, na visão sarcásmica de Manuel Bandeira, mas de querela de direito autoral, resta à Validuaté, porque sua arte, por enquanto, cantar A voz do dono e o dono da voz, de Chico Buarque.